NEW CD LÍNGUA, VOL.2

AVAILABLE 17 JUL 2015

Film #1 Língua

 

 

7 Nov 2014 Showcase @ Lisboa PT

September 17, 2014 | 0 Comments


7 NOV 2014 @ Lisboa PT FNAC Chiado Concerto NOA NOA de lançamento do CD “Língua, Vol.1″* mais novidades aqui * integrado na digressão de lançamento Idanha-a-Nova, Cascais, Aveiro e Coimbra.
Continue Reading
6 Nov 2014 Concert @ Coimbra PT

September 17, 2014 | 0 Comments


6 NOV 2014 @ Coimbra PT Conservatório de Coimbra Concerto NOA NOA de lançamento do CD “Língua, Vol.1″* mais novidades aqui * integrado na digressão de lançamento Idanha-a-Nova, Cascais, Aveiro e Coimbra.
Continue Reading
31 Oct/Out 2014 Concert @ Aveiro PT

September 17, 2014 | 0 Comments


31 Oct/Out 2014 @ Aveiro PT Teatro Aveirense Concerto NOA NOAde lançamento do CD “Língua, Vol.1″* Convidados: Ana Bacalhau José Pedro Leitão mais novidades aqui * integrado na digressão de lançamento Idanha-a-Nova, Cascais, Aveiro e Coimbra.
Continue Reading
11 Oct/Out 2014 Concert @ Cascais PT

September 17, 2014 | 0 Comments


11 Oct/Out 2014 @ Cascais PT Centro Cultural de Cascais Concerto NOA NOAde lançamento do CD “Língua, Vol.1″*mais novidades aqui * integrado na digressão de lançamento Idanha-a-Nova, Cascais, Aveiro e Coimbra.
Continue Reading
11 Jul 2014 Concert @ Idanha PT

July 2, 2014 | 0 Comments


11 July 2014, 21h30 Centro Cultural Raiano, Idanha-a-Nova (PT) Noa Noa “Língua, vol.1” with Cardo-Roxo/Adufeiras de Idanha-a-Nova Concert @ Festival Fora do Lugar 2014   i eres a estrela que brila, i eres o vento que zoa. Rosalía de Castro in Follas Novas, 1880 Baila nena, Tradicional (Galiza) s/ arr. Fernando Reyes Pur beilar el pingacho, Tradicional (Trás-os-Montes) Mal se cura muyto […]
Continue Reading
13 Dec 2013 Concert @ Monsanto PT

December 10, 2013 | 0 Comments


Details   13 December 2013 21h30 Monsanto S. Pedro de Vir-a-Corça Portugal Língua, vol.1 Concert Festival Fora do Lugar 2013   i eres a estrela que brila,i eres o vento que zoa. Rosalía de Castro in Follas Novas, 1880 Baila nena, Tradicional (Galiza) s/ arr. Fernando Reyes Pur beilar el pingacho, Tradicional (Trás-os-Montes) Mal se cura muyto […]
Continue Reading
28 Sep/Set Concert @ Águeda PT

September 5, 2013 | 0 Comments


Details   28 September/Setembro 2013 21h30 Fundação Dionísio Pinheiro Águeda Portugal Língua, vol.1   i eres a estrela que brila,i eres o vento que zoa. Rosalía de Castro in Follas Novas, 1880 Tanchão, Tradicional (Açores) Baila nena, Tradicional (Galiza) s/ arr. Fernando Reyes Mal se cura muyto mal, Anón., Cancioneiro de Upsala (séc. XVI) Pues quexar sé, […]
Continue Reading
19 Sep 2013 Installation Art @ Lisboa PT

September 5, 2013 | 0 Comments


Details   19 September 2013 Museu Nacional de Arqueologia Lisboa Portugal Installation Art “A Manta” by Cristina Rodrigues DfD music by Filipe Faria/Noa Noa
Continue Reading
13 Jul 2013 Concert @ Braga PT

June 13, 2013 | 0 Comments


Details   13 July 2013 21h30 Auditório Vita Braga Portugal Música no Claustro IV Língua, vol.1   i eres a estrela que brila,i eres o vento que zoa. Rosalía de Castro in Follas Novas, 1880 Tanchão, Tradicional (Açores) Baila nena, Tradicional (Galiza) s/ arr. Fernando Reyes Mal se cura muyto mal, Anón., Cancioneiro de Upsala (séc. XVI) […]
Continue Reading
5 Jul 2013 Concert @ Aveiro PT

June 13, 2013 | 0 Comments


Details   5 July 2013 21h30 Museu de Aveiro Aveiro Portugal Língua, vol.1   i eres a estrela que brila,i eres o vento que zoa. Rosalía de Castro in Follas Novas, 1880 Baila nena, Tradicional (Galiza) s/ arr. Fernando Reyes Pur beilar el pingacho, Tradicional (Trás-os-Montes) Mal se cura muyto mal, Anón., Cancioneiro de Upsala (séc. XVI) […]
Continue Reading
Show More Posts2 Posts Remaining
No more posts to Load

SOBRE NOA NOA PORTUGUÊS


Fundado por Filipe Faria e Tiago Matias em 2012 – antecipando o 110º aniversário da morte do pintor pós-impressionista Paul Gauguin (1848-1903) – Noa Noa procura explorar, em música, as fronteiras da liberdade criativa que os artistas da viragem do século XIX para o XX propunham alcançar.

A liberdade criativa que se vivia na Europa de então encontra paralelo na História da Música Ocidental do século XVIII no qual o músico era formado para saber cantar, tocar um ou mais instrumentos, improvisar, compor e dirigir. A tradição de resposta sem fronteiras ao apelo criativo é tão antiga como o Homem e volta a ter eco nas tendências recentes da moderna prática da Música Antiga com a constatação de que o músico no passado tinha uma formação multifacetada que contrasta com a super-especialização a que se chegou no século XX e XXI. A própria redescoberta dos instrumentos históricos e das suas técnicas de execução tem vindo a iluminar o passado, mas ao mesmo tempo tem servido de inspiração a compositores contemporâneos para novas obras, linguagens e estéticas.

Em Noa Noa, Filipe Faria e Tiago Matias assumem o papel antigo do músico multifacetado e poli-instrumentista bebendo tanto duma intensa experiência profissional de mais de uma década na área da Música Antiga como do gosto comum pelo risco e pela capacidade íntima da música.

De uma visão descomplexada e informal dos repertórios europeus para voz e alaúde, dos séculos XVI a XVIII, às músicas populares da Ibéria e da Europa com os cheiros e travos inevitáveis do torna viagem – marca de água da Europa pós aventura marítima – a música de Noa Noa assume uma construção moderna tendo como ponto de partida o diálogo essencial da voz com a multiplicidade de instrumentos antigos de corda pulsada.

Em 2014 Noa Noa lança o seu primeiro trabalho discográfico dedicado à memória colectiva definida pelas diversas culturas e línguas ibéricas, uma manta de sons “para além do Ebro” que resultou no português, castelhano, mirandês, galego, asturiano, basco ou catalão. Com o apoio do Ministério da Cultura (ex Secretaria de Estado da Cultura), da Direcção-Geral das Artes e da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova este projecto, intitulado “Língua (vol.1)”, viaja entre o que há de mais comum e mais diferente na História da cultura ibérica explorando as fronteiras geográficas, culturais e conceptuais da tradição e da ancestralidade com a contemporaneidade ou a interculturalidade. Este trabalho esteve no primeiro lugar do TOP de vendas FNAC na área da Música Clássica/Música do Mundo/Jazz durante três meses tendo sido um dos discos mais vendidos em Portugal entre Julho e Novembro de 2014. A primeira edição esgotou em quatro meses estando a ser preparada a segunda edição.

Na Temporada de 2012/2013 Noa Noa apresentou-se em concerto em Idanha-a-Velha (Palácio Marrocos), Aveiro (Museu de Aveiro), Braga (Festival “Música nos Claustros”), Águeda (Fundação Dionísio PInheiro), Monsanto (Festival Internacional de Músicas Antigas, Fora do Lugar) com os convidados especiais Artur Fernandes (Danças Ocultas) e João Hasselberg (Luísa Sobral, “Whatever It Is You’re Seeking, Won’t Come In The Form You’ re Expecting”), etc…

Na mesma Temporada, Noa Noa é convidado para uma parceria artística na instalação “A Manta” de Cristina Rodrigues, peça icónica do Museu Rural para o Século XXI/21st Century Rural Museum/Idanha-a-Velha resultado da parceria com o projecto Design for Desertification DfD, Câmara Municipal de Idanha-a-Nova (CMIN), Manchester Metropolitan University, MIRIAD e Oralities Project/UE. Esta exposição esteve patente na Sé Catedral de Idanha-a-Velha, MUDE- Museu do Design e da Moda (Lisboa), Mosteiro dos Jerónimos/Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa), etc… Em 2014 esta instalação esteve patente na Machester Cathedral (Inglaterra) e no MAM/São Paulo (Brasil).

 

Em 2014 o grupo apresentou a digressão de lançamento do disco “Língua, vol.1” com concertos no Centro Cultural Raiano (Idanha-a-Nova), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova) – com os convidados especiais Cardo-Roxo e Adufeiras de Idanha-a-Nova -, Centro Cultural de Cascais (Cascais) – com os convidados Joana Espadinha e João Hasselberg -, Teatro Aveirense (Aveiro) – com Ana Bacalhau e José Pedro Leitão (Deolinda) e Miguel Calhaz -, Grande Auditório do Conservatório de Coimbra (Coimbra) com João Hasselberg -, e Festival Fora do Lugar (Monsanto, Idanha-a-Nova) – com João Hasselberg.

Em 2015 Noa Noa lança o segundo volume do projecto “Língua” – “Língua, vol.2” – e apresenta uma temporada de concertos em Portugal: CCB- Centro Cultural de Belém (Lisboa), ISA (Lisboa), FNAC Chiado (Lisboa), Teatro Joaquim Benite (Almada). Festival Sons de Almada Velha (Almada), Museu de Aveiro (Aveiro), Oliveira do Bairro (Quartel das Artes), etc… e uma digressão europeia na Flemish Opera (Ghent, Bélgica), Bozar (Bruxelas, Bélgica), DeSingel (Antuérpia, Bélgica) e Opéra de Lille (Lille, França) com o projecto “Babel” em parceria com a Zonzo Compagnie (Bélgica) e integrado no Big Bang Festival.

Em 2016 lança o seu terceiro CD dedicado às canções sefarditas cantadas em ladino e tem agendada uma temporada no Festival Lua Cheia, Arte na Aldeia (Coêdo, Vila Real), Antiga Sé de Idanha-a-Velha, BTL (Lisboa), Festival Páscoa Judaica e Cristã (Medelim), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova), etc…

Em parceria com a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova e a Arte das Musas, Noa Noa assume, no início de 2013, o estatuto de Artists-in-Residence neste concelho – com base na Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha. Esta parceria concretiza-se na promoção de residências artísticas regulares que permitem olhar para o universo musical muito particular desta região raiana a partir de dentro, junto da população, dos músicos e artistas locais e dos seus espaços e hábitos.

No mesmo ano Noa Noa assume ainda o estatuto de projecto parceiro do Festival Fora do Lugar, Festival Internacional de Músicas Antigas.

O nome do ensemble é inspirado no inovador livro de Paul Gauguin de 1901 no qual o artista descreve os tempos passados em retiro criativo na Polinésia francesa, em especial no Tahiti. Envolto em polémica, tanto Gauguin como o seu Noa Noa são ainda hoje sinónimos de liberdade criativa.

Noa Noa é apoiado pelo Ministério da Cultura/Direcção-Geral das Artes e é representado pela produtora Arte das Musas.

 

 

 

CONTACTS

Booking worldwide

Arte das Musas
Rua da Vitória, 75
2820-338 Charneca de Caparica
Portugal
+351 210995674
mail@artedasmusas.com
www.artedasmusas.com 

Noa Noa VIMEO-01
Noa Noa FACEBOOK-02

 

Please feel free to ask questions or join discussions on our open facebook page above. To reach us more directly, please use the form below.

Noa Noa apoios 2014-01

Noa Noa VIMEO-01Noa Noa FACEBOOK-02

 

SOBRE “LÍNGUA” PORTUGUÊS


Todas as línguas mudam com o tempo. Evoluem e adaptam-se aos usos inovadores das comunidades, às suas idiossincrasias e hábitos. A língua não pode ser entendida como uma entidade imutável, estanque, parada ou desenhada no tempo e pelo tempo. Ela é, pelo contrário, resultado de uma dinâmica imensa da mesma forma e com o mesmo fulgor da comunidade ou da humanidade que muda… vagarosa mas imparável.
Língua é o título do novo projecto Noa Noa dedicado à memória colectiva definida pelas diversas culturas e línguas ibéricas, uma manta de sons “para além do Ebro” que resulta no português, castelhano, mirandês, galego, asturiano, basco ou catalão. Este projecto viaja entre o que há de mais comum e mais diferente na História da cultura ibérica explorando as fronteiras geográficas, culturais e conceptuais da tradição e da ancestralidade com a contemporaneidade ou a interculturalidade.

Film #2 Língua

SOBRE NOA NOA CASTELLANO


Creado por Filipe Faria y Tiago Matias en 2012 – anticipando el 110º aniversario de la muerte del pintor post-impresionista Paul Gauguin (1848-1903) – Noa Noa busca explorar, a través de la música, las fronteras de

la libertad creativa que los artistas proponían lograr en el cambio del siglo XIX hacia el XX.La libertad creativa que la Europa vivía en aquél entonces, encuentra semejanzas en la Historia de la Música Occidental del siglo XVIII en el cual el músico se formaba para que pudiese cantar, tocar uno o más instrumentos, improvisar, componer, y dirigir un proyecto musical. La tradición de respuesta sin fronteras hacia el llamamiento creativo es tan antigua como el Hombre y vuelve a encontrar sus relaciones en las tendencias recientes de la moderna práctica de la Música Antigua con la constatación de que el músico en el pasado tenía una formación multifacética que contrasta con la súper-especialización a que hemos llegado en los siglos XX y XXI. La propia redescubierta de los instrumentos históricos y de sus técnicas de ejecución nos viene enseñando el pasado, pero al mismo tiempo sirve de inspiración a compositores contemporáneos para nuevas obras, lenguajes y estéticas.

En Noa Noa, Filipe Faria y Tiago Matias cogen con ambas manos / asumen el papel antiguo del músico multifacético y multi-instrumentista bebiendo sea de una intensa experiencia profesional de más de una década en el área de la Música Antigua, como de la atracción hacia el riesgo y de la capacidad íntima de la música.

Desde una perspectiva desacomplejada e informal de los repertorios europeos para voz y laúd, de los siglos XVI hasta XVIII, y de las músicas tradicionales de Iberia y de Europa con los olores y sabores inevitables de los viajes – filigrana de una Europa post aventura marítima – la música de Noa Noa adquiere una construcción moderna teniendo como base el diálogo esencial de la voz con la multitud de instrumentos antiguos de cuerda pulsada.

En la temporada 2012/2013 el grupo tiene una agenda de conciertos en Idanha-a-Velha, Aveiro, Braga y Lisboa, y asimismo la participación especial en la instalación “A Manta” de Cristina Rodrigues, pieza icónica del Museo Rural para el siglo XXI/21st Century Rural Museum/Idanha-a-Velha, que resulta de la asociación con el proyecto Design for Desertification DfD, Ayuntamiento de Idanha-a-Nova (AIN), Manchester Metropolitan University, MIRIAD y Oralities Project/UE, presente en la Catedral de Idanha-a-Velha hasta septiembre del 2013. La instalación viajará hacia el Brasil en octubre del mismo año, en el MAM/São Paulo.

Aún el 2013, Noa Noa presentará su primer disco dedicado a la memoria colectiva definida por las distintas culturas e idiomas ibéricos, un mantel de sonidos “allá del Ebro” que resulta en el portugués, castellano, mirandés, gallego, asturiano, vasco o catalán. Este proyecto, llamado “Língua (vol.1)”, viaja entre lo que existe de más semejante e a la vez distinto en la Historia de la cultura ibérica, explorando las fronteras geográficas, culturales y conceptuales de la tradición, y asimismo de lo ancestral y contemporáneo o de la interculturalidad.

En asociación con el Ayuntamiento de Idanha-a-Nova y la Arte das Musas, Noa Noa asume, en 2013, el estatuto de Artists-in-Residence en esta región – basada en la Aldea Histórica de Idanha-a-Velha. Dicha asociación se concretiza en la promoción de residencias artísticas regulares que permiten una mirada hacia el universo musical tan peculiar en esta región fronteriza desde su interior, junto de la población, de los músicos y artistas locales y de sus espacios y costumbres.

En este ámbito, Noa Noa asume todavía el estatuto de proyecto de asociación del Festival Fora do Lugar, Festival Internacional de Músicas Antiguas.

El nombre de este ensamble se inspiró en el innovador libro de Paul Gauguin del 1901, en el cual el artista describe el transcurso de los tiempos el cautivo en la Polinesia Francesa, y en Tahiti específicamente. Envuelto en polémica, Gauguin y su Noa Noa son aún en nuestros días símbolos de la libertad creativa.

Noa Noa recibe el apoyo de la Secretaria del Estado de la Cultura de Portugal/Dirección General de las Artes, y es representado por la productora Arte das Musas.

Translation: Tiago Cassola Marques

 

 

 

SOBRE “LENGUA” CASTELLANO


Todas las lenguas cambian con el tiempo. Ellas evolucionan y se adaptan a los usos innovadores de las comunidades, a sus idiosincrasias y costumbres. La lengua no puede ser entendida como algo inmutable, cerrada, parada y dibujada en el tiempo y por el tiempo. Todo el contrario: ella resulta de una dinámica inmensa tal cual la misma fuerza de la comunidad o de la humanidad que cambia… despacio pero imparable.
Lenguaes el título del nuevo proyecto Noa Noa dedicado a la memoria colectiva definida por las distintas culturas e idiomas ibéricos, un mantel de sonidos “allá del Ebro” que resulta en el portugués, castellano, mirandés, gallego, asturiano, vasco o catalán. Este proyecto, llamado “Língua (vol.1)”, viaja entre lo que existe de más semejante e a la vez distinto en la Historia de la cultura ibérica, explorando las fronteras geográficas, culturales y conceptuales de la tradición, y asimismo de lo ancestral y contemporáneo o de la interculturalidad.

Film #3 Língua

ABOUT NOA NOA ENGLISH


Founded by Filipe Faria and Tiago Matias in 2012 – in anticipation of  the 110th anniversary of the death of the post-impressionist artist Paul Gauguin’  (1848-1903) – Noa Noa is a musical exploration of  the frontiers of creative freedom that the artists from the 18th to the 19th century were aspiring to.

The kind of creative freedom that existed in Europe at that time has parallels in the history of the western music of the 18th century during which period a musician was educated to sing, play more than one instrument, improvise, compose or conduct his or her own piece of music. The tradition of a free response to the creative appeal  is as old as Man himself, and it seems to be felt again in recent modern practices of Early Music, as evidenced  by the multifaceted education of the musician, in comparison to the super-specialization in the 20th and 21st centuries. The rediscovery of historical instruments themselves and techniques required to play them have highlighted the past but at the same time served as an inspiration for contemporary composers.

In the Noa Noa project, Filipe Faria and Tiago Matias assume the role of the ancient musician, multifaceted and multi-instrumentalist, drawing on their substantial professional experience of more than a decade in the Early Music domain, coupled with their penchant for such risky projects and the intimacy the music can reach.

From this uninhibited informal interpretation of the 16th, 17th and 18th European repertoire for voice and lute, to the Iberian and European folkloric music, along with its inevitable own taste and scent of the journeys – a watermark of  sea adventures – the music of Noa Noa assumes a modern construction starting from the essential dialogue of the voice with the multiplicity of ancient string instruments.

In 2014 Noa Noa released its first CD dedicated to the collective memory of the different Iberian cultures and languages, a plaid of sounds “beyond the river Ebro” resulting in the Portuguese, Castilian, Mirandese, Galician, Asturian, Basque or Catalan languages. With the support of Ministry of Culture o Portugal, the General-Directorate for the Arts and the Municipality of Idanha-a-Nova, this project, called “Língua (vol. 1)” (Língua = Language/Tongue), ranges from the most common to the most distinctive aspects of the history of the Iberian culture. It explores the geographic, cultural and conceptual frontiers of the tradition and ancestrally, along with contemporary and intercultural concepts.

This CD achieved the first place of the TOP FNAC in the area of Classical Music/ World Music/Jazz for three months and was one of the best selling albums in Portugal between July and November 2014. The first edition sold out in four months being prepared the second edition.

In the Season 2012/2013 Noa Noa performed in Idanha-a-Velha (Palácio Marrocos), Aveiro (Museu de Aveiro), Braga (Festival “Música nos Claustros”), Águeda (Fundação Dionísio PInheiro), Monsanto (Festival Internacional de Músicas Antigas, Fora do Lugar) with special guests Artur Fernandes (Danças Ocultas) and João Hasselberg (Luísa Sobral, “Whatever It Is You’re Seeking, Won’t Come In The Form You’ re Expecting”), etc…

In 2013 Noa Noa was invited to be a partner and special guest in the installation art “A Manta” (“The Blanket”) by Cristina Rodrigues, an iconic piece of the 21st Century Rural Museum/Idanha-a-Velha, resulting from the partnership with the project Design for Desertification DfD, City Council of Idanha-a-Nova (CMIN), Manchester Metropolitan University, MIRIAD and Oralities Project/UE, exhibited in the Idanha-a-Velha Cathedral until September 2013. This installation art will be presented at the MAM/São Paulo (Brazil) from October 2013 on.

 

In 2014 Noa Noa presented the tour for the album “Língua, vol.1” “Language, vol.1” in Centro Cultural Raiano (Idanha-a-Nova), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova) – with special guests Cardo-Roxo and Adufeiras de Idanha-a-Nova -, Centro Cultural de Cascais (Cascais) – with special guests Joana Espadinha e João Hasselberg -, Teatro Aveirense (Aveiro) – with special guests Ana Bacalhau and José Pedro Leitão (Deolinda) and Miguel Calhaz -, Grande Auditório do Conservatório de Coimbra (Coimbra) with João Hasselberg -, and Festival Fora do Lugar (Monsanto, Idanha-a-Nova) – with João Hasselberg.

In 2015 Noa Noa released the second volume of the projecto “Língua” – Língua, vol.2” – and presents a concert season in Portugal: CCB- Centro Cultural de Belém (Lisbon), ISA (Lisbon), FNAC Chiado (Lisbon), Teatro Joaquim Benite (Almada). Festival Sons de Almada Velha (Almada), Museu de Aveiro (Aveiro), Oliveira do Bairro (Quartel das Artes), etc… and a European tour in the Flemish Opera (Ghent, Belgium), Bozar (Brussels, Belgium), DeSingel (Antwerp, Belgium) and Opéra de Lille (Lille, France) with the project “Babel” in partnership with e Zonzo Compagnie (Belgium) and integrated into the Big Bang Festival.

In 2016 Noa Noa will release their third CD dedicated to the Sephardic songs sung in Ladino and has a scheduled season at the Festival Lua Cheia, Arte na Aldeia (Coêdo, Vila Real), Antiga Sé de Idanha-a-Velha, BTL (Lisbon), Festival Páscoa Judaica e Cristã (Medelim), Festival Fora do Lugar (Idanha-a-Nova), etc…

In partnership with the City Council of Idanha-a-Nova and the Arte das Musas in 2013, Noa Noa will be the Artists-in-Residence in this region – ensconced in the historical village of Idanha-a-Velha. This partnership will evidenced by the promotion of regular artistic residences along the season in partnership with the “CMIN”. These residences will reflect a point of view of the musical heritage, very close to the population, the musicians and other local artists, along with their spaces and habits.

Noa Noa also assumes the role of partner in the Fora do Lugar Festival, Early Musics International Festival.

Its name is inspired by the 1901 book by Paul Gauguin, in which the artist describes the time spent in creative retirement in the French Polynesia, in particular, Tahiti. Both polemic, Gauguin and his Noa Noa are still synonymous with creative freedom.

Noa Noa is supported by the Ministry of Culture and the Directorate-General for the Arts (Portuguese Government) and represented by the Arte das Musas productions.

Translation: Tiago Cassola Marques/Diana Gonsalves/Filipe Faria

ABOUT “LÍNGUA”* ENGLISH


All language changes with time. Languages evolve and adapt themselves to the innovative use of their communities, their habits and idiosyncrasies. Language cannot be understood as a changeless and settled entity, drawn during Time and drawn by it. On the contrary, it is the result of huge dynamics, in the way a  community or Humanity itself would do… slowly but relentlessly.
Língua* is the title of the new project dedicated to the collective memory defined by the different Iberian cultures and languages, a plaid of sounds “beyond the river Ebro” resulting in the Portuguese, Castilian, Mirandese, Galician, Asturian, Basque or Catalan languages. This project goes from the most common to the most distinctive aspects in the History of the Iberian Culture. It explores the geographic, cultural and conceptual frontiers of tradition and ancestrally, along with contemporary and intercultural concepts.

Translation: Tiago Cassola Marques/Diana Gonsalves
* Língua = Language/Tongue

Film #4 Língua

Film #5 The Blanket/A Manta

Film #6 CD Teaser Língua

CD Língua, Vol.2 MU0114/2015

 

MU0114 CD Cover Noa Noa - Língua #2 (2015)

CD Língua, Vol.1 MU0112/2014

MU0112 CD Cover Noa Noa - Língua Vol 1 (2014)

BUY ONLINEFNAC-02

Logotipo iTUNES-01

DISPONÍVEL NAS LOJAS
FNAC-02

Logo Fonte de Letras-01

 

Film #8 “Tanchão” Língua

 

Film #7 “Virgem da Consolação” Língua

 

 Visão LOGO-01

 

O adufe, tal como a música de Idanha, aprendeu a viajar no tempo. E a cruzar-se com as mais distintas propostas. Como é o caso de Noa Noa, de Filipe Faria (fundador do grupo Sete Lágrimas, um dos mais inovadores, a nível europeu, a fazer a ligação entre música antiga e contemporânea) e Tiago Matias. O projeto colhe o seu nome no livro homónimo de Paul Gauguin, realizado a partir dos anos que viveu no Taiti. Nasceu, aliás, em 2012, por ocasião do 110.º aniversário da morte do pintor pós-impressionista. Esta formação, um duo, que integra algumas vezes artistas convidados, procura explorar na sua música exatamente a liberdade criativa da viragem do século XIX. Na música ocidental, essa liberdade criativa encontrava–se no século XVIII, quando os músicos cantavam, compunham, dirigiam e tocavam vários instrumentos. Os Noa Noa saltitam nas fronteiras da música tradicional e erudita, utilizando línguas e dialetos, reconfigurando a música antiga com práticas modernas. Para isso recorrem a grande panóplia de instrumentos, que acompanham a voz mágica de Filipe Faria.
Os Noa Noa e Filipe Faria têm uma ligação umbilical a Idanha-a-Nova, através de residências artísticas e vários projetos desenvolvidos no território raiano, entre os quais o Festival Fora do Lugar – Festival Internacional de Músicas Antigas -, que já vai na terceira edição. Consiste em transportar a música para os lugares mais improváveis, desde capelas inóspitas, a casas senhoriais, antigos lagares de azeite, locais abandonados… É, pois, um projeto de intervenção cultural, com efeitos diretos no património de Idanha-a-Nova.”

Luís Pedro Cabral
in
 Revista Visão (n.º 1149 12-18/3/2015)

Blitz LOGO-01

 

 

“Resta-nos festejar a estreia do duo NOA NOA, [Língua, Vol. 1, *****, Arte das Musas], formado pelos multi-instrumentistas Filipe Faria e Tiago Matias. Com um pé na música tradicional, com o outro na música antiga (medieval e não só) e com o coração aberto às músicas do mundo (ao lado de adufes, chocalhos, guitarra barroca, viola beiroa ou vihuela também se podem ouvir um udu ou uma flauta bansuri), os Noa Noa servem-nos uma filigrana, inesperada e em tamanho gigante, de canções antigas e tradicionais de quase toda a Península Ibérica (pela voz de Filipe Faria podem aqui ouvir-se temas em português, catalão, basco, castelhano, galego, asturiano e mirandês), interpretadas com um amor e uma sabedoria assombrosas.”
António Pires, Crítica “Língua, vol.1” ***** (5/5 estrelas)

BLITZ, Mondo 21, n.º105, Março 2015

Jornal de Letras LOGO-01

 

 

ERUDITO POPULAR. “Na justa fronteira entre o tradicional e o erudito, os Noa Noa, duo de Filipe Faria e Tiago Matias, estreiam-se com um disco surpreendente, que vagueia por territórios pouco explorados da música da península – a meio caminho entre Jordi Saval e o também excelente trabalho da sua filha Ariana. O som dos Noa Noa parte de uma afinidade simples e eficaz entre os cordofones de Tiago Matias e a voz delicada de Filipe Faria. Perante esta base elementar constroem tudo o resto, com os mais variados tipos de instrumentos e efeitos. Apesar de a base ser essencialmente um cancioneiro tradicional anónimo, prevalece uma sonoridade erudita, devido à voz e à forma como os arranjos são trabalhados. Este vol.1, dos Noa Noa, construído numa residência artística em Idanha-a-Nova, é também uma reflexão sobre a língua, buscando cumplicidades ibéricas, com temas em português ,castelhano, catalão, galego, basco, mirandês e asturiano. Ouvindo o disco pode-se aferir até que ponto a sonoridade dos idiomas influencia as próprias músicas. Noa Noa afasta-se assim, com um dinamismo erudito, de outros projetos que trabalham a música tradicional, usando ferramentas opostas para evitar a sua cristalização.”
Noa Noa “Língua, Vol.1” MU/Arte das Musas Mu0112
in Jornal de Letras, 9-22 Julho 2014

Antena 1 LOGO

 

HOTEL BABILÓNIA “Eu amo esse disco! (…) Esse é um grande, grande disco! (…) É absolutamente admirável. É um daqueles trabalhos que nos faz pensar em tudo o que andamos a desperdiçar na nossa história musical.”
João Gobern in “Hotel Babilónia”/Antena 1 (12/7/2014) acerca de “Língua, Vol.1” de Noa Noa.

LISTEN/OUVIR
Noa Noa “Língua, Vol.1” MU/Arte das Musas Mu0112

in “Hotel Babilónia” de João Gobern e Pedro Rolo Duarte
12 Jul. 2014 (excertos)

Antena 2-01

 

 

“É extraordinário: cheio de delicadeza mas sempre com energia, com uma espontaneidade que quase parece gravado num concerto ao vivo. Além do lado musical é também um maravilhoso arco iris do falar ibérico. Conseguiram a difícil tarefa de dar unidade a culturas muito diversas provando que afinal são irmãs e sobretudo trazendo as tradições mais enraizadas para uma leitura tão fresca, tão intemporal e universal. O duo por vezes parece um trio ou um quarteto, de tão variado o desdobramento de timbres. Adoro não apenas a minúcia dos meneios (dos sentimentos, estados de alma) na voz (incluindo os registos graves, por exemplo, no Pingacho mirandês), mas também o permanente dedilhado tão bem medido, expressivo, das cordas. E depois o tempero da percussão, incluindo o berimbau de boca na fabulosa versão de Mira-me Miguel com um inesperado e irresistível bamboleio.
Em suma, neste Noa Noa o bom gosto impera sem descanso, e por isso só me ocorre o topo da escala, umas 5 estrelas bem viçosas, para descrever o meu agrado perante o vosso trabalho. (…)
A meu ver são coisas destas que nos animam e fazem correr.”
João Almeida
Director adjunto de Programas de Rádio (RDP)

Crónicas da Terra LOGO-01

 

 

“1. Noa Noa – “Língua, Vol. 1″ (Arte das Musas)
Filipe Faria (voz, adufe, bombo, vassouras, udu, unhas de cabra, chocalhos, guitarra barroca, viola beiroa, flauta doce, flauta bansuri, assobio, melódica) e Tiago Matias (vihuela, guitarra barroca, alaúde, guitarra romântica, colascione, voz, bombo, vassouras, assobio, unhas de cabra) carregam consigo a experiência de década e meia de trabalho ímpar em Sete Lágrimas na forma como resgatam e desenvolvem repertório que os portugueses levaram ou criaram há (pelo menos) 500 anos atrás, em África ou no Brasil, na Índia ou em Macau. No projecto Noa Noa, nascido de uma residência artística que ocorreu em Idanha-a-Nova, o duo aponta o foco à diversidade cultural e linguística da Península Ibérica, interpretando, re-arranjando e edificando com mestria e cunho muito pessoal, um programa consistente e coeso constituído por repertório português, castelhano, mirandês, galego, asturiano, basco e catalão, no qual se esbatem as diferenças temporais e linguísticas. “Lingua, Vol. 1” é erudito e contemporâneo, antigo e moderno, arcaico e inovador. Aqui respira-se uma enorme cumplicidade entre dois multi-instrumentistas, respeita-se o silêncio, os espaços (do terreiro ao salão de baile) e a doçura ou a pujança dos instrumentos, sejam percussões de barro, flautas doces ou cordofones trovadorescos. Uma coisa é certa: nunca se escutaram arranjos como estes de modas, cantos de devoção, de Tierras de Miranda (“Pur beilar el pingacho”, “Mira-me Miguel”), da Baixa Baixa (“Virgem da Consolação”) ou dos Açores (“Tanchão”). Venha rapidamente o Volume II de “Língua”.”
Luís Rei in Crónicas da Terra 
1.º lugar da lista dos dez discos de 2014 da área da música tradicional/folk, criada por músicos portugueses ou residentes em Portugal

 

Film #9 Língua, vol.2